Início Maconha na adolescência pode precipitar a esquizofrenia?

Maconha na adolescência pode precipitar a esquizofrenia?

por Leonardo Monteiro
0 comentário
marcelo d maconha plante hemp

A letra de uma música da banda Planet Hemp, um dos hinos em defesa da descriminalização da maconha no Brasil, inspirou a produção deste artigo. O refrão repete: “Uma erva natural não pode te prejudicar”. E indaguei: será que eles estariam certos?

O questionamento é pertinente dado que, nos últimos anos, vários países têm flexibilizado as regras e liberado o uso da maconha recreativa. Só ressaltando: não falamos aqui do uso medicinal da cannabis, que vem sendo explorada em estudos e recebendo todo o empenho de especialistas.

Proponho uma reflexão sobre o uso recreativo, e particularmente sobre a sua conexão com um transtorno psiquiátrico, a esquizofrenia.

+ LEIA TAMBÉM: Medo do Abandono: como superar

A cannabis é a terceira substância psicoativa mais consumida no mundo. A primeira entre as substâncias ilícitas. E esse consumo não vem de hoje. Achados históricos mostram que ela é usada há milênios para diversos fins.

Sabe-se também que a maconha de hoje não é a mesma usada por nossos antepassados. Assim, surge outra pergunta: o “barato” ainda é o mesmo que o deles?

Com a seleção artificial, como ocorre em tantas lavouras (soja, milho etc.), os plantadores aprimoraram as técnicas de cultivo da cannabis e foram selecionando as “melhores” variedades, cruzando subtipos diferentes para criar híbridos e linhagens específicas, sempre buscando certos efeitos psíquicos.

O resultado foi uma mudança nas características químicas da planta, que tem duas substâncias psicoativas principais: canabidiol (CBD) e THC. Por agirem de forma diferente nos receptores cerebrais, elas possuem ações antagônicas no cérebro.

O canabidiol é o princípio ativo da maconha mais estudado hoje pelos seus efeitos benéficos ao organismo, enquanto o THC é responsável pelos efeitos alucinógenos do baseado.

BUSCA DE MEDICAMENTOS

Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres

Buscar

DISTRIBUÍDO POR

×
O conteúdo apresentado no resultado da pesquisa realizada (i) não representa ou se equipara a uma orientação/prescrição por um profissional da saúde e (ii) não substitui uma orientação e prescrição médica, tampouco serve como prescrição de tratamento a exemplo do que consta no site da Farmaindex:

“TODAS AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE SITE TÊM A INTENÇÃO DE INFORMAR E EDUCAR, NÃO PRETENDENDO, DE FORMA ALGUMA, SUBSTITUIR AS ORIENTAÇÕES DE UM PROFISSIONAL MÉDICO OU SERVIR COMO RECOMENDAÇÃO PARA QUALQUER TIPO DE TRATAMENTO. DECISÕES RELACIONADAS AO TRATAMENTO DE PACIENTES DEVEM SER TOMADAS POR PROFISSIONAIS AUTORIZADOS, CONSIDERANDO AS CARACTERÍSTICAS PARTICULARES DE CADA PESSOA”

• O conteúdo disponibilizado é meramente informativo, tendo sido obtido em banco de dados fornecido exclusivamente pela Farmaindex, sendo de única responsabilidade daquela empresa;
• A Isenção de qualquer garantia de resultado a respeito do conteúdo pesquisado;
• O Informativo de que caberá ao usuário utilizar seu próprio discernimento para a utilização responsável da informação obtida.

A maconha de hoje em dia tem um índice muito maior de THC e um nível bem menor de canabidiol do que a erva do passado. Ela é, portanto, muito mais potente para dar “barato” do que as variedades ancestrais.

Continua após a publicidade

A conclusão, então, seria: se dá mais barato, é melhor, certo? Nada é de graça.

Um dos grupos que mais têm usado maconha são os adolescentes. Estatísticas apontam que aproximadamente um em cada cinco utilizou a erva considerando seu último mês.

O problema é que a percepção de perigo dos adolescentes é baixa e, frequentemente, eles se envolvem em comportamentos de risco que podem trazer consequências sérias à sua saúde.

Fato é que o cérebro dos adolescentes não está completamente formado. Nessa fase, ocorrem diversos processos relacionados à maturação das funções cerebrais já adquiridas e ao desenvolvimento de novas funções. São as chamadas janelas de desenvolvimento.

+ LEIA TAMBÉM: Uma nova visão para quem é mãe na adolescência

Um cérebro ainda em formação é muito mais vulnerável a agressores externos que interferem nesses períodos críticos de maturação. E aqui voltamos à maconha. Estudos mostram que, em pessoas com predisposição, seu consumo está associado a manifestações e doenças psiquiátricas.

Quanto mais cedo se começa a usar, pior. E, quanto mais THC (leia-se: “mais barato”), maior o risco de problemas mentais. A mistura pode ser explosiva: num cérebro vulnerável, quanto mais maconha é utilizada (e maior seu teor de THC), maior a probabilidade de desregulação neuronal e de desenvolvimento de quadros como psicose.

São diversas as pesquisas que implicam o uso da maconha na adolescência com um risco muito maior de manifestação da esquizofrenia, um transtorno marcado por delírios e alucinações. A erva também pode amplificar a gravidade da doença.

A moral da história é a seguinte: usar ou não maconha é uma escolha pessoal. Mas, para quem quer experimentar e não pretende colocar a saúde cerebral em risco, meu conselho é no mínimo deixar para provar bem depois do fim da adolescência.

Compartilhe essa matéria via:

WhatsAPP
Telegram

* Bruno Mendonça Coêlho é psiquiatra da infância e adolescência e doutor em ciências pela Faculdade de Medicina da USP

Continua após a publicidadeFonte do Conteúdo Saúde Abril

You may also like

Deixe um Comentário

Site de notícias do Brasil e do Mundo informação.