Início Pet: 10 dicas para quem tem um recém adotado

Pet: 10 dicas para quem tem um recém adotado

por Leonardo Monteiro
0 comentário
Familia de caes

Adotar um pet é uma das coisas mais incríveis que um ser humano pode fazer em prol da vida animal. E os benefícios não são relativos apenas aos animais, que agora serão de estimação. Mas, especialmente, para a família que vai receber os bichos em casa, no apartamento, etc.

Pensando nisso, a gente trouxe aqui 10 dicas incríveis para quem tem um pet recém adotado e quer fazer tudo da melhor forma. Os tópicos vão mencionar de pontos importantes, como alimentação e saúde, até mesmo aqueles diferenciais para uma vida mais feliz, como viagens.

lindo pet

lindo pet

Foto: (reprodução/internet)

1 – A vacinação do pet

Antes de qualquer coisa, saiba que é muito recomendado que as pessoas que estão em contato com os pets considerem as vacinas em dia. Esse cuidado exige atenção pelo fato de que cada raça e porte de animal tem as suas características diferenciadas.

Cachorro tomando vacina

Cachorro tomando vacina

Foto: (reprodução/internet)

Então, vamos a um exemplo. A vacina polivalente V8 é para proteger os cachorros contra várias doenças, entre elas, adenovirose, cinomose, coronavirose, leptospirose, etc. Logo, possui até 5 doses, o que vai depender da orientação veterinária e dos protocolos.

Atualmente, existem várias ONGs que permitem vacinação gratuita para animais de estimação. No entanto, caso isso não aconteça na sua cidade, saiba que elas precisarão ser custeadas. Em uma rápida pesquisa, dá para notar que uma V8 pode custar até R$ 90.

2 – Adaptar a nova moradia do pet

Mesmo que a sua adoção tenha sido repentina e não planejada, considere que é preciso levar em conta a nova moradia do animal de estimação. Portanto, leve em conta qual será a melhor forma de alocar o novo morador na sua casa. Até porque ele vai ficar inseguro no começo.

Casal com cachorro

Casal com cachorro

Foto: (reprodução/internet)

Se for um pet recém-nascido, filhote, saiba que a maior parte do dia ele vai usar para dormir. No entanto, se for mais adulto, então, pode ser que o que ele mais queira é curtir a vida e brincar adoidado. Tudo isso precisa ser considerado.

E aí vem aqueles outros cuidados, como com alimentação e as tomadas ou outros componentes que podem machucar o pet. A partir de agora, tudo precisa ser pensado de uma forma diferente porque o seu pet vai dar novas cores à sua vida e a sua casa, também.

3 – A primeira noite do pet em casa

Depois dessa adaptação inicial, saiba que a primeira noite do pet em casa exige muito cuidado. Mas, isso porque as pessoas que adotaram, além dos moradores da casa e do pet, ficam ansiosos com esse momento, que é totalmente novo.

cao dormindo

cao dormindo

Foto: (reprodução/internet)

Apesar de estranharem, saiba que isso não quer dizer que o filhote não gostou do lugar. No entanto, ao mesmo tempo, dá para começar a entender o que ele gosta. E as melhores dicas para ajudar nessa transição é sobre preparar o ambiente para a boa noite de sono.

Assim, mesmo que ele não queira ficar na casinha nesse momento, deixe-a preparada. Também vale a pena deixar ali aqueles cobertores mais fininhos ou simplesmente pedaços de pano para que eles se sintam confortáveis. Um lugar silencioso é indicado.

4 – A alimentação do pet

A partir da primeira noite, os próximos dias serão de adaptação, ao passo que até mesmo o manejo alimentar pode ser considerado nessa hora. O ideal é que se crie um hábito, ou seja, um horário fixo para que eles se alimentem, como se fossem refeições.

pet comendo

pet comendo

Foto: (reprodução/internet)

Além disso, lembre-se sempre de seguir a recomendação do veterinário sobre a quantidade ou o tipo de alimento a ser oferecido. Outra dica é sempre verificar a embalagem do fabricante da raçãopara evitar futuros problemas. Até mesmo porque deixar ração a vontade não é legal.

E se o filhote não quiser comer em alguma refeição, saiba que é preciso observar os possíveis motivos para isso, como uma falta de interesse pelo alimento ou a falta de fome. O melhor começo é verificar a quantidade consumida e o produto. Esse é o começo.

5 – A higiene do pet

Além da parte da comida, outro ponto que costuma gerar dúvidas nas pessoas tem a ver com a higiene do animal de estimação. Sendo assim, considere que o segredo pode estar em criar o hábito desde o começo, também, como no caso da alimentação.

Dog recebendo carinho do dono

Dog recebendo carinho do dono

Foto: (reprodução/internet)

Resumidamente, ensine o seu pet a fazer xixi e cocô nos lugares mais apropriados. Por isso, aquele ponto inicial, sobre definir e adaptar o seu ambiente para o animal é tão importante. Agora, vocês vão saber onde é o local para fazer essas necessidades fisiológicas.

Para quem tem dúvidas ou dificuldade em ensinar o pet a fazer isso no lugar certo, saiba que hoje em dia existem os tapetes higiênicos que permitem essa ação. Eles são absorventes e podem ser pontos de partida para que o hábito comece do jeito certo.

6 – A socialização do pet

Apesar de existirem vários motivos positivos para adotar um pet, saiba que isso também vai exigir mudanças comportamentais e diárias na sua vida e de toda família. Por exemplo, aquela ideia de socializar o animal é importantíssima para que ele tenha uma boa qualidade de vida.

carinho animal

carinho animal

Foto: (reprodução/internet)

A socialização não envolve apenas ir até o pet e brincar com ele. Estamos diante de atividades em lugares públicos, como parques e praças. Além disso, eles adoram receber visitas e visitar pessoas diferentes. Isso vai torna-lo mais calmo, mais sociável e mais feliz.

No começo, ele pode ter ações diferentes, como ficar mais nervoso, mais agitado ou até mesmo com medo. Por isso, iniciar esse processo de socialização desde cedo é tão benéfico para o animal de estimação, seja cachorro ou gato.

7 – Os treinos dos pets

Sabe quando a gente vê aquele animalzinho que é muito obediente, calminho e uma gracinha? Então, pode ter certeza de que ele recebeu os cuidados e treinamentos corretos. Então, uma dica aqui é justamente dedicar uma parte do dia para esse contato com o animal.

diversao canina

diversao canina

Foto: (reprodução/internet)

É possível ensinar o pet a partir de comandos simples, como sentar, deitar, soltar, ficar, ir, etc. Isso vai ajudar até mesmo na hora de iniciar atividades importantes, como o banho, o passeio, entre outros. E quando mais agitado o animal é, então, mais importante o treinamento se faz.

Para quem quiser ir além, também dá para optar pelas escolas de treinamento para pets ou até mesmo a contratação de um profissional. Isso porque existem tipos de treinos que são mais profissionais, como Agility, Natação, Canicross, Flyball e outros.

8 – A integração com a família

A gente já falou sobre a socialização do pet. No entanto, leve em conta esse tópico vai além. O que queremos informar é que o pet precisa fazer parte da família assim como a família precisa fazer parte da vida do pet. E isso inclui todo mundo, inclusive, crianças e bebês.

Familia e cachorro

Familia e cachorro

Foto: (reprodução/internet)

Obviamente, saiba que quanto antes esse contato começar, com paciência, então, maiores as chances de ter sucesso nessa estratégia. Além disso, quanto maior o tempo de contato e a integração com todos os integrantes, maiores as chances de adaptação rápida do pet.

9 – As viagens com os pets

Outra dica muito valiosa para quem tem pets recém adotados é sobre viagens. Porque mesmo que a sua família não tenha o hábito de fazer isso, considere que em algum momento o transporte do animal será necessário, seja para vacinação ou passeios.

caozinho viajante

caozinho viajante

Foto: (reprodução/internet)

Então, nessa hora, vale a pena buscar meios de fazer com que o passeio ou a viagem seja confortável para eles. Hoje em dia, existem muitos acessórios para carros e automóveis que permitem isso. Além do mais, quando não for possível, existem apps para hospedá-los.

10 – O acompanhamento com o veterinário

E, por fim, mas não menos importante vem o assunto do acompanhamento com o veterinário. Assim como se recomenda que os humanos façam visitas médicas de maneira periódica, saiba que o mesmo acontece com os bichos.

Pet tomando vacina

Cachorro tomando vacina

Foto: (reprodução/internet)

A ideia é que siga com um veterinário, seguindo um cronograma de consultas mensais. Nelas, é possível fazer exames e receber orientações sobre todos os assuntos, desde a alimentação até mesmo o uso de medicamentos ou vacinas para pets.

A consulta veterinária vai incluir diversas atividades e ações do profissional da saúde animal. Essa avaliação pode ser clínica, com exames ou física. O fato é que é importante que se tenha esse conhecimento para que o pet tenha mais bem-estar, saúde e cuidados necessários.

Os motivos para adotar um pet

Antes de terminar o conteúdo, leve em conta que existem diversos e milhares ou milhões de motivos para adotar um pet hoje em dia. Os primeiros têm a ver com as vantagens de que ele trará para você, para a sua casa e a sua família.

Isso porque o pet torna a vida mais harmoniosa e feliz. Além disso, a adoção é uma atitude empática, que visa os cuidados com os animais, sendo que isso pode até salvar a vida deles. O que não faltam são histórias de pessoas que adotaram e recomendam isso para outras.

The post 10 dicas para quem tem um pet recém adotado first appeared on Portal do Animal.

You may also like

Deixe um Comentário

Site de notícias do Brasil e do Mundo informação.