Seleção masculina de basquete perde vaga em Pré-olímpico com destaque de Rubro-Negros.

Seleção Masculina de Basquete -- Redação Rubro-Negra

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

A seleção masculina de basquete verde e amarela perdeu a chance de ir para as olimpíadas de Tóquio com a derrota pouco mais cedo para equipe da Alemanha.
Jogando na cidade de Split na Croácia o Brasil fez uma campanha espetacular até chegar a final quando fez uma partida irreconhecível e foi derrotado por 75 x 64


Seleção masculina de basquete. Pedidos de dispensa uniram ainda mais o grupo.


O técnico Aleksandar Petrovic viu alguns dos jogadores que certamente estariam no pré olimpico pedirem dispensa.
Um dos casos mais emblemáticos foi do jogador Rauzinho, que atua na NBA pelo time do Washington Wizards e claramente o técnico da seleção contava com ele para armação da equipe, porém acabou pedindo dispensa por motivos pessoais.
Outro que não apenas pediu dispensa mas anunciou a aposentadoria da amarelinha foi o ala Marquinhos que atuava pelo Flamengo e agora defenderá a equipe do São Paulo.
Além de Marquinhos e Rauzinho, Gui Santos do Minas Tênis e Didi do New Orleans Pelicans já haviam avisado ao técnico Croata que não defenderiam a Seleção Masculina de Basquete.


Seleção fez excelentes jogos, mas falhou na decisão.


Mesmo com tantos pedidos de dispensa, a seleção masculina de basquete fez uma excelente campanha até este jogo final, com jogadores assumindo a responsabilidade e outros ganhando um protagonismo que talvez não teriam se todos os convocados estivessem aceito o chamado.
E cinco destes doze jogadores já foram ou ainda são importantíssimos com a camisa do Flamengo.

A seleção Masculina de Basquete teve sangue Rubro-Negro correndo neste pré-olímpico.
Não é novidade que jogadores de basquete rodam o mundo é passam por diversos clubes durante suas carreiras, porém não são em todos os lugares que mesmo se destacando eles conseguem ganhar títulos de relevância.

Esse não é o caso de quem passou pelo FlaBasquete afinal todos eles conquistaram fortíssimos títulos com a camisa do Flamengo.


Os doze jogadores chamados para o pré olimpico foram: Rafael Huertas, Rafael Luz, Yago Mateus e Georginho na armação. Vitor Benite como ala armador, Alex Garcia e Léo Meindl na ala.
Lucas Dias e Bruno Caboclo como alas/pivôs e Anderson Varejão, Lucas Mariano e Rafael Hettsheimer como pivôs.

Campeões Rubro-Negros na seleção.

O pivô Anderson Varejão passou pelo Flamengo no período de 2 temporadas. O jogador que fez questão de mostrar estar jogando no time de coração marcou seu nome na história do clube conquistando o Novo Basquete Brasil 2018/2019.

Aquela final foi contra uma equipe que também queria o jogador, a equipe do SESI Franca, e quis o destino que a série
fosse para o quinto jogo e decidida justamente na cidade de Franca.

Na grande final Varejão contribuiu com 7 pontos, 6 rebotes e uma entrega surreal. O pivô ainda havia conquistado a copa Super 8 também em cima de Franca, também no ginásio do Pedrocão.

Rafael Luz.


O armador chegou ao Flamengo com uma responsabilidade absurdamente complicada.
O clube havia perdido para o basquete Lituano o grande xodó da torcida Nicolas Laprovittola. Seria complicado para qualquer um que chegasse fugir das comparações.
O estilo de Rafa era diferente do argentino. Luz tem até hoje em sua essência a marcação. Defesa agressiva e foco muito maior na distribuição das jogadas.
Aos poucos o jogador foi conquistando a confiança da equipe e naquela temporada inclusive evoluiu nos arremessos do perímetro.


Rafa Luz conquistou com o Flamengo um dos títulos de NBB mais improváveis dos sete que o clube possui.


Na temporada 2015/2016 contra um fortíssimos Bauru, jogo decidido apenas na partida cinco que até hoje tem a maior diferença de pontos em uma decisão de NBB. 100 X 66 e título para mais um atleta que hoje representa a seleção masculina de basquete.


Rafael Hettsheimer


Uma temporada apenas foi suficiente para este monstro escrever seu nome na história do clube.
Uma pena ser em ano de pandemia, pois o cincão não pode aproveitar o calor da torcida Rubro-Negra a seu favor, porém mesmo assim foi marcante.
Hettsheimer conquistou todos os títulos possíveis com o Flamengo nesta curta passagem. Além do título carioca, título este conquistado por todos que estarão nesta lista, o gigante ainda conquistou uma Copa Super 8, a grande Champions League Américas e o tão almejado título de NBB, pois já havia batido na trave por 3 vezes.
Esperamos que um dia ele possa voltar nem que seja por só mais uma temporada para poder aproveitar a torcida em quadra jogando junto com ele.


Yago Mateus.


O nosso monstrinho pelo menos por enquanto é o único da lista que atua pelo Flamengo.
Fez uma temporada de gente grande e promete fazer uma ainda maior no próximo ciclo.
Assim como Hettsheimer, Yago conquistou tudo que foi possível com a camisa do Flamengo. Carioca, Copa Super 8, Champions League e o Novo Basquete Brasil sendo o grande MVP das finais.

Vitor Benite. Como é bom ver este cara jogar.


Vitor Benite é daqueles alas armadores clássicos que vimos crescer com a camisa do Mengão.
Ganhou tudo que era possível e imaginável com o manto sagrado.
Jogou em seu time de coração e conquistou o mundo.

Com 3 NBB’s na conta (2012/2013 2013/2014 2014/2015). Uma liga das Américas 2014 e um campeonato Mundial. Este pode dizer que ganhou tudo com o Flamengo.

A clássica jogada em que ele força o erro de Jeremy Pargo do Maccabi Tel Aviv, rouba a bola, faz a cesta e ainda sofre falta é uma das jogadas mais perfeitas da história do basquete Rubro- Negro, e isso em uma final de campeonato Mundial.

A Classificação infelizmente não veio. A Seleção brasileira masculina de basquete fez sua pior partida justamente quando não podia.

Uma derrota dolorida pois a modalidade vem precisando deste salto para voltar a se mostrar efetiva entre os torcedores.

O Novo Basquete Brasil já é uma realidade, mas precisa que a seleção dê este salto para que o basquete volte a ter o destaque que um dia já teve em nosso país.

Seleção feminina e masculina e também a modalidade 3×3 estão fora de Tóquio, enquanto o Vôlei vai favoritíssimo com a seleção masculina e com chances de medalhar no feminino e com as quatro duplas na praia. Fica complicado competir desta forma.

Redação Rubro-Negra o projeto feito por torcedores para torcedores.

Bem Vindo ao Redação Rubro Negra